Festival

O Festival Internacional de Percussão de Curitiba é uma ação cultural que mescla em suas atividades o ensino, a performance, a pesquisa e formação de plateia em música.

O encontro segue o formato de importantes festivais do gênero apresentando parte da música do  mundo através de concertos , palestras,  workshops e ações educacionais.   Sob a direção de Vina Lacerda o festival promove ao público o contato  com a música clássica, moderna e popular,   apresentada  em vivências com músicos, artistas, pesquisadores e educadores de diversas partes  do mundo,  num recorte do panorama mundial da música através da percussão. O Festival promove também ações educativas que precedem o festival. Voltadas às diversas comunidades da cidade de Curitiba, as ações são preparadas e levadas ao público  no intuito de  democratizar o acesso aos bens culturais locais em experiências que visam a formação do indivíduo e o contato com a arte.

Histórico

Mesmo sendo um importante polo cultural,  a cidade de Curitiba ainda não havia recebido um festival dedicado a percussão. Idealizado  por  Vina Lacerda, o 1ºFIP Curitiba foi realizado em julho de 2016 num formato composto por cinco dias de atividades. A ideia surgiu a partir  do entendimento que, de maneira geral,  as pessoas esboçam grande fascínio pelos instrumentos de percussão. Deste modo, o idealizador do projeto acredita que  o ato de  “batucar”  seja algo inerente ao ser humano, visceral,  ancestral.

Convidado a participar de diversos festivais de música no Brasil, América Latina, EUA e Europa, Lacerda fala da importância que um evento internacional pode trazer para o cenário cultural de uma cidade. “Além de promover o intercâmbio de artistas e linguagens aos olhos da comunidade, ele favorece o desenvolvimento cultural no contato com o heterogêneo, expandindo a visão de músicos, artistas, pesquisadores, educadores, estudantes e comunidade geral  no entendimento das diferentes linguagens existentes na música.

A primeira edição do Festival foi realizada de 21 a 24 de julho de 2016 e contou com 7 concertos, 7 masterclasses, 2 palestras e 8 atividades de ações de educação para as comunidades das regiões afastadas da cidade